sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

gosto de não dever nada a ninguém

Ajuda a seguir em frente.
A minha frontalidade permitiu-me dizer e avançar na vida sem pedras no caminho. Não adianta deixar coisas pendentes no passado se nos tapam o caminho. É o mal de muita gente. Depois se os outros conseguem passar à frente com  naturalidade é porque são frios-sem coração-pedras-se fazem de forte. Isto é estúpido. Só porque não sei quem conseguiu ir mais além e superar não quer dizer que não tenha sentimentos ou o diabo a quatro. Essa pessoa é que está bem e todos vocês, os deprimidos, é que estão mal. Face it. Um gajo até pode parecer bué insensível em X situação mas não é. Apenas faz o que está certo.
Retomando, eu gosto de viver um dia de cada vez. As circunstâncias levaram-me a não tomar nada por certo e é melhor aproveitar a chuva que cai porque pode ser a última chuva que sentirei nas trombas. Da mesma forma, digo tudo o que tenho a dizer quando acho que o devo. Óbvio que não ando aí a ofender as pessoas. Agora se me perguntarem e se tiver de dizer coisas que não querem muito ouvir digo. Se não disser por pura cortesia, é provável que saia da conversa respeitosamente.
Não devo nada a ninguém, gosto de acreditar que vivo como quero, ainda que condicionado pelo que acontece. Ando como me apetece e a minha barba tem o tamanho que quero. O meu cabelo também. Ninguém tem nada a ver com isso. Uma pessoa quanto mais livre se sentir mais feliz se poderá sentir também. Parece-me.

Lá no fundo sou um gentleman. Mas frontal e directo. Quem me conhece pode corroborar. Já ouviram o que não queriam, mas estou certo que não lhes fez mal nenhum.
Carpe Diem.

3 comentários:

Catarina disse...

Bem, já parecias o Ricardo Reis em versão menos dramática (: Estamos muito filosóficos pelo que vejo. :p
Mas realmente mais vale deitar tudo cá para fora do que ficar a remoer nas coisas e virar para a depressão em pessoa. :D

José Carlos disse...

mt bom, é nisso q eu acredito!

nash disse...

boa perspectiva, gosto muito